Rezar e amar, caminhos infalíveis para a cura e libertação

A nossa necessidade de cura e libertação existe todos os dias

Pe. Márlon Múcio. Foto: Jorge Ribeiro/cancaonova.com

No ano passado, estava pregando no “Kairós de cura entre as gerações”, quando senti um vento muito forte e achei estranho, pois estava muito calor e não ventava nada. De repente, percebi que o vento vinha do meu nariz, porque já usava esse ventilador mecânico para respirar. Conto esse fato porque, muitas vezes, as soluções para os nossos problemas estão mais próximas do que imaginamos. Venho trazer alguns ensinamentos práticos e simples de cura e libertação.

Acampamentos de cura e libertação não acontecem todos os dias, mas a nossa necessidade de cura e libertação existe todos os dias. Preocupo-me em ensinar o povo a alcançar a cura e a libertação.

Neste ano, completo 30 anos de ministério de cura e libertação, não faço 30 anos de sacerdócio, mas desde sempre rezo por essa causa.

Às vezes, o nosso dia a dia é justamente assim: o problema está mais próximo do que imaginamos, a solução para os nossos problemas está próxima de nós. Todos nós queremos cura e libertação, mas como alcançá-la?

Rezar e amar, são os dois caminhos infalíveis para a cura e a libertação.

Há quase um ano, fui carregado às pressas para o hospital pelo meu irmão. Nas vésperas de entrar na UTI, os médicos me disseram: “O senhor chegou a tempo”. Os meus santos de devoção ladeavam a minha maca e me levaram até o Céu. Quando cheguei ao Céu, os meus anjos me disseram: “Você chegou padre, mas não entrará, porque a sua missão ainda não acabou”. Se eu gostava de rezar e amar, depois que fui ao Céu e voltei, gosto ainda mais!

Eu tive uma experiência de quase Céu, e desejo que todos tenham essa experiência. Eu tenho rezado com mais fervor e mais amor; o meu amor foi lapidado, estou amando melhor, perdoando mais rápido.

Rezar e amar está na “ponta do nosso nariz”, temos de insistir nisso.

Se não vamos ao encontro de Deus pelo amor, vamos pela dor! O Senhor está nos tirando dos nossos túmulos; a cura que Ele está fazendo em nós não é superficial.

No Evangelho de hoje, Jesus nos disse que é o Espírito que nos dá a alma. Lutemos pela cura do nosso corpo, mas o mais importante é lutarmos pela cura da alma. A alma sadia torna o corpo sadio. A mais nobre profissão dos homens é rezar e amar.

Confira um trecho da Missa:

Leia mais:
.:A mão de Deus desceu sobre mim
.:Nossos ossos estão secos, nossa esperança está morta
.:Vinde! Voltemos ao Senhor. Ele feriu-nos, Ele nos curará!

Transcrição e adaptação: Karina Silva.


Padre Márlon Múcio


Sacerdote da Comunidade Missão Sede Santos

Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo