Por causa de Tua Palavra, eu lançarei as redes

O principal trabalho de um músico é aquele que não se vê

Padre Demétrio Foto: Andréia Britta/cancaonova.com

Tendo invocado o Espírito Santo Paráclito, aquele que é o grande compositor em nossa vida, quero agora alertar a todos nós a respeito de um perigo que corremos. O perigo é nos acostumarmos com determinada Palavra de Deus, pois sabemos o final daquela passagem bíblica, e daí nos desconectarmos daquilo que essa mesma Palavra tem para nos ensinar.

Com isso, fechamo-nos à ação de Deus e não nos deixamos surpreender por Ele. E isso é algo terrível para a nossa vida espiritual! Precisamos compreender que a nossa vida espiritual não deve ser movida por novidades, mas sim pelas verdades sempre antigas – e ao mesmo tempo tão novas – que o Evangelho nos traz. E isso nos basta!

Não precisamos “recriar” aquilo que nos foi dado, mas sim mergulhar nas verdades eternas. Não importa quanto tempo estamos na Igreja, o que nos mantêm firmes na caminhada é cultivar essa atitude de criança, ou seja, a atitude de sempre nos encantarmos com os ensinamentos do Senhor. Desencantar-se com Deus é a morte da nossa vida espiritual! Não podemos perder essa perspectiva do divino mistério. Na vivência dos sacramentos, precisamos “tirar as sandálias do orgulho” para vivenciarmos bem tudo aquilo que Deus nos oferece.

Tendo isso em mente, vamos retomar o texto do Evangelho segundo Lucas:

“Estando Jesus um dia à margem do lago de Genesaré, o povo se comprimia em redor dele para ouvir a Palavra de Deus. Vendo duas barcas estacionadas à beira do lago –, pois os pescadores haviam descido delas para consertar as redes –, subiu a uma das barcas que era de Simão e pediu-lhe que a afastasse um pouco da terra; e sentado, ensinava da barca o povo. Quando acabou de falar, disse a Simão: “Faze-te ao largo, e lançai as vossas redes para pescar”. Simão respondeu-lhe: “Mestre, trabalhamos a noite inteira e nada apanhamos; mas, por causa de tua palavra, lançarei a rede”. Feito isto, apanharam peixes em tanta quantidade, que a rede se lhes rompia.” (Lucas 5,1-6).

Hoje, o Senhor está aqui, no meio de nós, e a Palavra de Deus, que é sempre viva e atual, age agora em nosso meio. O Senhor está dizendo a mim e a você nesse exato momento: “Faze-te ao largo, e lançai as vossas redes para pescar”.

Um alma enamorada de Cristo nunca diz: “Basta!”. Quem ama Jesus sempre busca corresponder a Sua vontade. Hoje, o Senhor nos envia para águas mais profundas. E o amor que temos por Ele nos leva a prosseguir nessa “pescaria de almas”.

O que percebemos é que nenhuma pessoa no mundo poderá nos dar aquilo que realmente nos saciará por inteiro. Só Deus sacia o coração do homem! Nenhuma pessoa, por mais “perfeita” que seja, poderá saciar o nosso vazio interior. Só Deus pode fazer isso! E é por isso que, ao nos afastarmos do Senhor, esse vazio interior permanece.

O que você tem buscado no seu ministério?

Pergunte-se hoje: “O que eu tenho buscado, realmente, com todos esses esforços no meu ministério?” Se não nos questionarmos em relação a isso, nossas metas se tornarão muito pequenas, e acabaremos caindo em uma idolatria, pois o coração humano sempre precisa de um “absoluto”. E quando esse absoluto não é Deus, acaba sendo outra coisa dentro do nosso coração. Essa outra coisa – seja o dinheiro, a fama ou o que for – usurpa o lugar que pertence a Deus por direito no interior de cada um de nós.

Quando Simão Pedro disse a Jesus: “Mestre, trabalhamos a noite inteira e nada apanhamos, mas, por causa de tua palavra, lançarei a rede”, nós aprendemos que a fé consiste em acreditarmos naquele que está falando, pois Ele não engana nem se deixa enganar. E porque é o Senhor quem está mandando, nós obedecemos. Isso é a obediência que Deus espera de nós.

Leia mais: 
.:Mestre, trabalhamos a noite inteira e não pescamos nada!
.:Santidade e fé, caminho de crescimento e transformação
.:Adesão à Palavra de Deus e às verdades da fé para compor com unção

“O que Deus quer de mim?” deve ser nossa constante pergunta diante do Senhor. Talvez, hoje, você não compreenda tudo aquilo que lhe acontece. Mas querer compreender tudo é uma tentação. Querer compreender Deus é, de fato, uma tentação, pois se compreendêssemos tudo aquilo que Ele realiza, Ele não seria mais Deus.

Meus irmãos, Jesus poderia, com uma só palavra ou um estalar de dedos, fazer com que os peixes pulassem sobre aquelas barcas. Mas Ele não quis assim. Jesus deseja que os seus participem da Sua obra. O milagre é Ele quem realiza. A Ele cabe a onipotência. Mas a nós cabe a fé pela qual colaboramos com o milagre. Daí, a importância dos ministros de música compreenderem que é preciso colocar à disposição do Senhor seus dons naturais.

Ocultar-se para que Deus apareça

O mais importante não é aquilo que fazemos, mas sim aquilo que Deus faz por meio de nós. E isso serve também no exercício do ministério de música. Uma tentação muito grande em nosso meio é a do naturalismo, ou seja, dar muito valor àquilo que temos realizado. Isso é uma grande tolice! O mais importante é o que Cristo realiza através de nós. A nossa eficácia no ministério vem do Senhor! Número de seguidores nas redes sociais não significa santidade. Chega a ser algo asqueroso alguém querer buscar seguidores para si nas redes sociais, e não buscar seguidores para o Senhor. É preciso ocultar-se para que Deus apareça.

Evitemos a tentação do ativismo, pois isso não nos torna eficazes no exercício do ministério. O muito fazer não adiantará nada, se não houver uma intimidade com Deus. Precisamos fazer um sincero exame de consciência, para ver se, de fato, estamos fazendo as coisas para Deus acima de tudo. Em primeiro lugar, a oração; depois, a ação. O principal trabalho de um músico é aquele que não se vê, ou seja, aquele que acontece quando o músico se coloca em adoração diante do sacrário.

Por outro lado, existe também a tentação do quietismo, que é exatamente a de ficar de braços cruzados, sem fazer nada, esperando tudo “cair do céu”. Não é isso! Santo Inácio ensina que “precisamos fazer tudo como se dependesse de nós, sabendo que tudo, na verdade, depende de Deus”.

Por fim, precisamos olhar para a Virgem Maria. Nossa Senhora, em todos os momentos da sua vida, repetiu o seu refrão. E qual era esse refrão? Faça-se em mim segundo a vossa Palavra! Em todos os momentos, Nossa Senhora buscou cumprir a vontade de Deus. E aqui está o segredo para todo músico: não procurar fazer grandes coisas, mas antes deixar que Deus faça a obra que é d’Ele por meio do seu ministério de música. Que Maria sirva de exemplo para todos nós!

Banner do canal PlayCancaonova no Youtube

Transcrição e adaptação: Alexandre Oliveira

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo