O amor tudo supera

Rodrigo Mocco prega na Quinta de Adoração no Santuário Pai das Misericórdias

Rodrigo Moco
Foto: Andréia Britta/cancaonova.com

Deus é amor

O apóstolo São João em sua carta define a Deus como sendo o próprio amor. E, se meditarmos, veremos que tudo aquilo que advém d’Ele tem essa essência de amor, que nos alcança e dá sentido à nossa história.

Amor: a essência da verdadeira religião

Quando pensamos em religião num contexto histórico, pensamos num ser humano que busca explicações para aquilo que ele não conhece. Contudo, no cristianismo o processo é inverso, pois foi Deus quem nos buscou e manifestou o amor d’Ele por nós. Esse é o sentido da verdadeira religião: o amor.

O amor deve ser uma experiência constante

Mas é importante compreender que só experimenta o amor de verdade quando há abertura para vivê-lo! Não há amor sem abertura, pois, por meio dele, todas as barreiras podem ser transpostas. A experiência de amor nos permite enxergar além dos nossos sentidos, dos nossos traumas e preconceitos; nos ajuda a enxergar as pessoas como Deus enxerga.

O amor é o alicerce da fé em Deus

O amor não faz acepção de pessoas e não ergue barreiras, ele tudo supera. Somente o amor pode transformar a realidade. Este fundamento, o amor, é o alicerce central da nossa fé. Somente ele pode explicar a encarnação de Cristo para viver e padecer por nós.

Jesus é a maior demonstração do amor de Deus

No entanto, antes do sacrifício, Jesus foi gerado em meio também ao amor: Maria o amou como Seu Filho e a aceitação de Nossa Senhora à missão d’Ele, é outra enorme manifestação do amor.

O remédio para uma cultura de morte

Hoje, o mundo no qual vivemos não é um mundo que exalta o amor, mas o teme. Se falarmos hoje de maternidade e paternidade, isso assusta; se falarmos de ajudar ao próximo no lugar de buscar nossos próprios interesses, isso também assusta. Contudo, precisamos ter disposição para viver o amor. Aquele que vive o amor encontra sentido para a sua vida e não passa os dias com medo de amar.

Rodrigo Moco e um dos assistidos pela Comunidade Jesus Menino no Santuário Pai das Misericórdias.
Foto: Andréia Britta/cancaonova.com

Enquanto nosso mundo quer viver uma cultura de morte, em que se sacrificam vidas em prol de objetivos individuais, Deus nos convida a nos sacrificar para trazer vida aos outros. O que nós podemos fazer para trazer vida? Como podemos ser instrumento de Deus? Deus deseja que nós vivamos o amor, e amar é doar-se.

 

 

Transcrição e adaptação por Jonatas Passos

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo