PHN

Caminho PHN: a rota começa dentro de si

Pitter di Laura

Pitter Di Laura | Foto: Bruno Marques/cancaonova.com

Usaremos o refrão da minha canção: “Valente destemido”, para nos guiar nesta pregação:

“Falarei, cantarei o que não vem de mim. O Espírito me levará.
Sonharei, mas viverei o que não planejei.
Profecia que vai se cumprir: “Eu usarei de ti”.

Farei um resumo de como foram as pregações do PHN até agora. No dia de ontem, o Dunga fez a primeira pregação do evento, ele se baseou no texto de Efésios 3,11-17, que fala sobre a armadura do cristão. Essa passagem bíblica norteou todo o PHN 2019 e, junto a esse texto, usou uma frase maravilhosa: “Jovem, não tenha medo de ser santo”.

Na segunda pregação, padre Mário Sartori, trabalhou o tema: “Coração do guerreiro, morada das virtudes”. No período da tarde, Thiago Tomé, pregou o tema: “Santidade: um verdadeiro desafio” e, na celebração eucarística, padre Mário Sartori, trabalhou a temática: Ajuda sobrenatural.

Hoje, nesta primeira pregação, vamos entender como precisamos caminhar. Quando vamos para uma viagem, precisamos conhecer o nosso carro, saber o que vamos levar; fazer os cálculos do que temos e o que vamos precisar.

O tema desta pregação é: “Caminho PHN: a rota começa dentro de si”. A caminhada começa dentro de nós. Esse tema é muito importante, porque um bom caminho começa dentro de nós.

O ser humano tem três grandes lutas espirituais: a luta contra o pecado, a luta contra o mundo e a luta contra si mesmo.

Para lutarmos contra o pecado, evitamos a situação, desviamos a rota. Lutar contra as coisas deste mundo é fácil, pois, cada vez que nos aproximamos de Deus, mais distante ficamos do mundo. Porém, a luta mais difícil é contra nós mesmos, porque como fugiremos de nós mesmos? Como lutaremos contra o inimigo que está em nós? Para realizarmos aquilo que fomos chamados por Deus, precisamos ser equilibrados. Uma pessoa desequilibrada faz um desserviço na evangelização; quem “anuncia-se” tem vida curta na evangelização.

A nossa luta contra o pecado começou no Paraíso. Para entendermos o plano de salvação temos de conhecer o início. O Livro do Gênesis conta que existia o Paraíso; e Deus disse para o homem que ele poderia desfrutar de tudo que estava lá, menos do fruto proibido. O mal no Paraíso estava na desobediência, sendo assim, o mal estava do lado de fora do homem.

Leia mais:
.:”Valente, destemido”: ouça o novo lyric de Pitter Di Laura

Porém, quando a serpente aproximou-se da mulher e ela ingeriu o fruto proibido, o mal que estava do lado de fora entrou na humanidade. Quando desobedecemos a Deus, o mal entra em nós.

Deus precisa ter a supremacia dentro do nosso coração, porque Ele sabe o que é melhor para nós

É uma tendência fazermos o que não devemos. Alguém já falou mal de você? Você já falou mal de alguém? Dentro de nós existe uma luta contra o pecado e somos inclinados a fazer o mal.

Quando falamos de “luta contra mundo”, precisamos entender o que são as coisas do mundo, porque não vamos lutar contra as plantas ou contra as montanhas. As coisas do mundo são as tentações. A tentação vem do demônio e, quando lutamos contra o mundo, estamos chamando o demônio para a luta.

A luta contra nós mesmos consiste em colocar Deus na supremacia do nosso coração. Quando saímos do meio para Deus governar, estamos vencendo o combate contra nós mesmos. Quem gosta de sentar-se no trono das nossas lutas interiores é o outro, nós mesmos e as nossas feridas. Dependemos demais das pessoas, ficamos aprisionados nas pessoas. As nossas feridas têm de saírem do nosso trono.

O trono do nosso coração não é de pessoa nenhuma, não é das nossas feridas  e nem mesmo nosso. Deus precisa ter a supremacia dentro do nosso coração, porque Ele sabe o que é melhor para nós.

A evangelização não pode mais estar pautada em palavras humanas, pois elas não geram conversão. A evangelização tem de estar pautada nas Palavras de Deus.

Transcrição e adaptação: Karina Silva.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo